quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

Abadessa





Abadessa é um cargo religioso de primeira dignidade numa comunidade de religiosas que se divide em várias formas. Assim termos: a abadessa geral, aquela cuja autoridade se estendia a todas as abadias da mesma ordem e a abadessa secular, aquela a quem era dado o governo temporal de uma paróquia com obrigação de apresentar ao bispo do lugar um sacerdote idóneo para curar as almas. Assistia e parece que por vezes presidia às assembleias eclesiásticas.


As abadessas eram electivas, havendo abadessas perpétuas eleitas para mandatos vitalícios.

Abadengo





Abadengo é um presente que, na Idade Média, dava-se ou legava-se ao confessor. Espontâneo na sua origem, foi mais tarde considerado pelo clero como uma obrigação. Aparenta-se (mas não deve confundir-se) com o abadágio, dádiva que se fazia ao abade da freguesia.

Ábaco




Ábaco

O ábaco é um antigo instrumento de cálculo, formado por uma moldura com bastões ou arames paralelos, dispostos no sentido vertical, correspondentes cada um a uma posição digital (unidades, dezenas,...) e nos quais estão os elementos de contagem (fichas, bolas, contas,...) que podem fazer-se deslizar livremente. Teve origem provavelmente na Mesopotâmia, há mais de 5.500 anos. O ábaco pode ser considerado como uma extensão do ato natural de se contar nos dedos. Emprega um processo de cálculo com sistema decimal, atribuindo a cada haste um múltiplo de dez. Ele é utilizado ainda hoje para ensinar às crianças as operações de somar e subtrair.

Construção e utilização do ábaco

Cada bastão contém bolas móveis, que podem ser movidas para cima e para baixo. Assim, de acordo com o número de bolas na posição inferior, temos um valor representado. Pode haver variações, como na figura ao lado, onde se fazem divisões na moldura e o número de bolas é alterado. Observe que na figura temos o número 6302715408 (por exemplo 8=5+3, com a parte superior representando múltiplos de 5, neste caso 0, 5 e 10).

Estrutura com hastes metálicas divididas em duas partes, das quais uma tem duas contas e a outra, cinco contas, que deslizam nessas hastes. Os ábacos orientais dispõem de varas verticais divididas em dois, com as contas sobre a barra tendo o valor cinco vezes superior aos das contas abaixo. O suanpan chinês dispõe de duas contas acima da barra ou divisor e cinco abaixo. O moderno soroban japonês por outro lado, tem uma conta acima e quatro abaixo do divisor.

Algumas hastes podem ser reservadas pelo operador para armazenar resultados intermediários. Desta forma, poucas guias são necessárias, já que o ábaco é usado mais como um reforço de memória enquanto o usuário faz as contas de cabeça.

Exemplo de cálculo

O cálculo começa à esquerda, ou na coluna mais alta envolvida em seu cálculo, e trabalha da esquerda para a direita. Assim, se tiver 548 e desejar somar 637, primeiro colocará 548 na calculadora. Daí, adiciona 6 ao 5. Segue a regra ou padrão 6 = 10 - 4 por remover o 5 na vara das centenas e adicionar 1 na mesma vara (-5 + 1 = -4) daí, adicione uma das contas de milhares à vara à
esquerda. Daí, passa a somar o três ao quatro, o sete ao oito, e no ábaco aparecerá a resposta: 1.185.

Devido a operar assim, da esquerda para a direita, pode começar seu cálculo assim que saiba o primeiro dígito. Na aritmética mental ou escrita, calcula a partir das unidades ou do lado direito do problema.

História

O ábaco é um antigo instrumento de cálculo, que segundo muitos historiadores foi inventado na Mesopotâmia, pelo menos em sua forma primitiva e depois os chineses e romanos o aperfeiçoaram.

Então uma variedade de ábacos foram desenvolvidos; o mais popular utiliza uma combinação de dois números-base (2 e 5) para representar números decimais. Mas os mais antigos ábacos usados primeiro na Mesopotâmia e depois na Grécia e no Egito por escrivães usavam números sexagesimais
representados por fatores de 5, 2, 3 e 2 por cada dígito.

A palavra ábaco originou-se do Latim abacus, e esta veio do grego abakos. Esta era um derivado da forma genitiva abax (lit. tábua de cálculos). Porque abax tinha também o sentido de tábua polvilhada com terra ou pó, utilizada para fazer figuras geométricas, alguns linguistas especulam que tenha vindo de uma língua semítica (o púnico abak, areia, ou o hebreu ābāq (pronunciado a-vak), areia.

Ábaco mesopotâmico

O primeiro ábaco foi quase de certeza construído numa pedra lisa coberta por areia ou pó. Palavras e letras eram desenhadas na areia; números eram eventualmente adicionados e bolas de pedra eram utilizadas para ajuda nos cálculos. Os babilónios utilizavam este ábaco em 2700–2300 a.C.. A origem do ábaco de contar com bastões é obscuro, mas a Índia, a Mesopotâmia ou o Egito são vistos como prováveis pontos de origem. A China desempenhou um papel importante no desenvolvimento do ábaco.

Ábaco babilónio

Os babilónios podem ter utilizado o ábaco para operações de adição e subtracção. No entanto, este dispositivo primitivo provou ser difícil para a utilização em cálculos mais complexos.Algumas pessoas conhecem um caracter do alfabeto cuneiforme babilónio que pode ter sido derivado de uma representação do ábaco. Por isso esse ábaco é muito importante.

Ábaco egípcio

O uso do ábaco no antigo Egito é mencionado pelo historiador grego Crabertotous, que escreve sobre a maneira do uso de discos (ábacos) pelos egípcios, que era oposta na direção quando comparada com o método grego. Arqueologistas encontraram discos antigos de vários tamanhos que se pensam terem sido usados como material de cálculo. No entanto, pinturas de parede não foram descobertas, espalhando algumas dúvidas sobre a intenção de uso deste instrumento.

Ábaco grego

Uma tábua encontrada na ilha grega de Salamina em 1846 data de 300 a.C., fazendo deste o mais velho ábaco descoberto até agora. É um ábaco de mármore de 149 cm de comprimento, 75 cm de largura e de 4,5 cm de espessura, no qual existem 5 grupos de marcações. No centro da tábua existe um conjunto de 5 linhas paralelas igualmente divididas por uma linha vertical, tampada por um semicírculo na intersecção da linha horizontal mais ao canto e a linha vertical única. Debaixo destas linhas, existe um espaço largo com uma rachadura horizontal a dividi-los. Abaixo desta rachadura, existe outro grupo de onze linhas paralelas, divididas em duas secções por uma linha perpendicular a elas, mas com o semicírculo no topo da intersecção; a terceira, sexta e nona linhas estão marcadas com uma cruz onde se intersectam com a linha vertica

Ábaco romano

O método normal de cálculo na Roma antiga, assim como na Grécia antiga, era mover bolas de contagem numa tábua própria para o efeito. As bolas de contagem originais denominavam-se calculi. Mais tarde, e na Europa medieval, os jetons começaram a ser manufacturados. Linhas marcadas indicavam unidades, meias dezenas, dezenas, etc., como na numeração romana. O sistema de contagem contrária continuou até à queda de Roma, assim como na Idade Média e até ao século XIX, embora já com uma utilização mais limitada.

Em adição às mais utilizadas bolas de contagem frouxas, vários espécimens de um ábaco romano foram encontrados, mostrados aqui em reconstrução. Tem oito longos sulcos contendo até 5 bolas em cada e 8 sulcos menores tendo tanto uma como nenhuma bola.

Nos sulcos menores, o sulco marcado I marca unidades, o X dezenas e assim sucessivamente até aos milhões. As bolas nos sulcos menores marcam os cincos - cinco unidades, cinco dezenas, etc. - essencialmente baseado na numeração romana. As duas últimas colunas de sulcos serviam para marcar as subdivisões da unidade monetária. Temos de ter em conta que a unidade monetária se subdividia em 12 partes, o que implica que o sulco longo marcado com o sinal 0(representando os múltiplos da onça ou duodécimos da unidade monetária) comporte um máximo de 5 botões, valendo cada uma 1 onça, e que o botão superior valha 6 onças. Os sulcos mais pequenos à direita são fracções da onça romana sendo respectivamente, de cima para baixo, ½ onça, ¼ onça e ⅓ onça.

Ábaco indiano

Fontes do século I, como a Abhidharmakosa, descrevem a sabedoria e o uso do ábaco na Índia.Por volta do século V, escrivães indianos estavam já à procura de gravar os resultados do Ábaco.Textos hindus usavam o termo shunya (zero) para indicar a coluna vazia no ábaco.

Ábaco chinês

A menção mais antiga a um suanpan (ábaco chinês) é encontrada num livro do século I da Dinastia Han Oriental, o Notas Suplementares na Arte das Figuras escrito por Xu Yue. No entanto, o aspecto exacto deste suanpan é desconhecido.

Habitualmente, um suanpan tem cerca de 20 cm de altura e vem em variadas larguras, dependendo do fabricante. Tem habitualmente mais de sete hastes. Existem duas bolas em cada haste na parte de cima e cinco na parte de baixo, para números decimais e hexadecimais. Ábacos mais modernos tem uma bola na parte de cima e quatro na parte de baixo. As bolas são habitualmente redondas e feitas em madeira. As bolas são contadas por serem movidas para cima ou para baixo. Se as mover para o alto, conta-lhes o valor; se não, não lhes conta o valor. O suanpan pode voltar à posição inicial instantaneamente por um pequeno agitar ao longo do eixo horizontal para afastar todas as peças do centro.

Os suanpans podem ser utilizados para outras funções que não contar. Ao contrário do simples ábaco utilizado nas escolas, muitas técnicas eficientes para o suanpan foram feitas para calcular operações que utilizam a multiplicação, a divisão, a adição, a subtracção, a raiz quadrada e a raiz cúbica a uma alta velocidade.

No famoso quadro Cenas à Beira-mar no Festival de Qingming pintado por Zhang Zeduan (1085-1145) durante a Dinastia Song (960-1297), um suanpan é claramente visto ao lado de um livro de encargos e de prescrições do doutor na secretária de um apotecário.

A similaridade do ábaco romano com o suanpan sugere que um pode ter inspirado o outro, pois existem evidências de relações comerciais entre o Império Romano e a China. No entanto, nenhuma ligação directa é passível de ser demonstrada, e a similaridade dos ábacos pode bem ser coincidência, ambos derivando da contagem de cinco dedos por mão. Onde o modelo romano tem 4 mais 1 bolas por espaço decimal, o suanpan padrão tem 5 mais 2, podendo ser utilizado com números hexadecimais, ao contrário do romano. Em vez de funcionar em cordas como os modelos chinês e japonês, o ábaco romano funciona em sulcos, provavelmente fazendo os cálculos mais difíceis.

Outra fonte provável do suanpan são as pirâmides numéricas chinesas, que operavam com o sistema decimal mas não incluíam o conceito de zero. O zero foi provavelmente introduzido aos chineses na Dinastia Tang (618-907), quando as viagens no Oceano Índico e no Médio Oriente teriam dado contacto directo com a Índia e o Islão, permitindo-lhes saber o conceito de zero e do ponto decimal de mercantes e matemáticos indianos e islâmicos.

O suanpan migrou da China para a Coreia em cerca do ano 1400. Os coreanos chamam-lhe jupan (주판), supan (수판) or jusan (주산)

Ábaco japonês

Um soroban (算盤, そろばん, lit. tábua de contar) é uma versão modificada pelos japoneses do suanpan. É planeado do suanpan, importado para o Japão antes do século XVI. No entanto, a idade de transmissão exacta e o meio são incertos porque não existem registos específicos. Como o suanpan, o soroban ainda hoje é utilizado no Japão, apesar da proliferação das calculadoras de bolso, mais baratas.

A Coreia tem também o seu próprio, o supan (수판), que é basicamente o soroban antes de tomar a sua atual forma nos anos 30. O soroban moderno também tem este nome

Ábacos dos nativos americanos

Algumas fontes mencionam o uso de um ábaco chamado nepohualtzintzin na antiga cultura azteca. Este ábaco mesoamericano utiliza um sistema de base 20 com 5 dígitos.

O quipu dos Incas era um sistema de cordas atadas usado para gravar dados numéricos, como varas de registo avançadas - mas não eram usadas para fazer cálculos. Os cálculos eram feitos utilizando uma yupana (quechua para tábua de contar), que estava ainda em uso depois da conquista do Peru. O princípio de trabalho de uma yupana é desconhecido, mas, em 2001, uma explicação para a base matemática deste instrumento foi proposta. Por comparação à forma de várias yupanas, os investigadores descobriram que os cálculos eram baseados na sequência Fibonnaci, utilizando 1,1,2,3,5 e múltiplos de 10, 20 e 40 para os diferentes campos do instrumento. Utilizar a sequência Fibonnaci manteria o número de bolas num campo no mínimo.

Ábaco russo

O ábaco russo, o schoty (счёты), normalmente tem apenas um lado comprido, com 10 bolas em cada fio (excepto um que tem 4 bolas, para fracções de quartos de rublo). Este costuma estar do lado do utilizador. (Modelos mais velhos têm outra corda com 4 bolas, para quartos de kopeks, que eram emitidos até 1916. O ábaco russo é habitualmente utilizado na vertical, com os fios da esquerda para a direita ao modo do livro. As bolas são normalmente curvadas para se moverem para o outro lado no centro, em ordem para manter as bolas em cada um dos lados. É clarificado quando as bolas se devem mover para a direita. Durante a manipulação, as bolas são movidas para a direita. Para mais fácil visualização, as duas bolas do meio de cada corda (a 5ª e a 6ª; no caso da corda excepção, a 3ª e a 4ª) costumam estar com cores diferentes das outras oito. Como tal, a bola mais à esquerda da corda dos milhares (e dos milhões, se existir) costuma também estar pintada de maneira diferente.

O ábaco russo estava em uso em todas as lojas e mercados de toda a antiga União Soviética, e o uso do ábaco era ensinado em todas as escolas até aos anos 90. Hoje é visto como algo arcaico e foi substituído pela calculadora. Na escola, o uso da calculadora é ensinado desde os anos 90.

Ábaco escolar

Em todo o mundo, os ábacos têm sido utilizados na educação infantil e na educação básica como uma ajuda ao ensino do sistema numérico e da aritmética. Nos países ocidentais, uma tábua com bolas similar ao ábaco russo mas com fios mais direitos e um plano vertical tem sido comum (ver imagem).

O tipo de ábaco aqui mostrado é vulgarmente utilizado para representar números sem o uso do lugar da ordem dos números. Cada bola e cada fio tem exactamente o mesmo valor e, utilizado desta maneira, pode ser utilizado para representar números até 100.

A vantagem educacional mais significante em utilizar um ábaco, ao invés de bolas ou outro material de contagem, quando se pratica a contagem ou a adição simples, é que isso dá aos estudantes uma ideia dos grupos de 10 que são a base do nosso sistema numérico. Mesmo que os adultos tomem esta base de 10 como garantida, é na realidade difícil de aprender. Muitas crianças de 6 anos conseguem contar até 100 de seguida com somente uma pequena consciência dos padrões envolvidos.

Usos pelos deficientes visuais

Um ábaco adaptado, inventado por Helen Keller e chamado de Cranmer, é ainda utilizado por deficientes visuais. Um pedaço de tecido suave ou borracha é colocado detrás das bolas para não moverem inadvertidamente. Isto mantém as bolas no sítio quando os utilizadores as sentem ou manipulam. Elas utilizam um ábaco para fazer as funções matemáticas multiplicação, divisão, adição, subtracção, raiz quadrada e raiz cúbica.

Embora alunos deficientes visuais tenham beneficiado de calculadoras falantes, o uso do ábaco é ainda ensinado a estes alunos em idades mais novas, tanto em escolas públicas como em escolas privadas de ensino especial. O ábaco ensina competências matemáticas que nunca poderão ser substituídas por uma calculadora falante e é uma ferramenta de ensino importante para estudantes deficientes visuais. Os estudantes deficientes visuais também completam trabalhos de matemática utilizando um escritor de Braille e de código Nemeth (uma espécie de código Braille para a matemática), mas as multplicações largas e as divisões podem ser longas e difíceis. O ábaco dá a estudantes deficientes visuais e visualmente limitados uma ferramenta para resolver problemas matemáticos que iguala a velocidade dos seus colegas sem problemas visuais utilizando papel e lápis. Muitas pessoas acham esta uma máquina útil durante a sua vida.

Curiosidades

Foi mostrado que alunos chineses conseguem fazer contas complexas com um ábaco, mais rapidamente do que um ocidental equipado com uma moderna calculadora electrónica. Embora a calculadora apresente a resposta quase instantaneamente, os alunos conseguem terminar o cálculo antes mesmo de seu competidor acabar de digitar os algarismos no teclado da calculadora.

abafador





Que abafa, que sufoca: calor abafador.
Peça, que em certos instrumentos abafa o som, suspendendo a vibracão das cordas. . Aquelle que, em certas seitas, apressava a morte ao moribundo, afogando-o com
almofadas, para que não peccasse, depois de consolado pelo
sacerdote. Pano, com que se cobre o bule do chá,para que este não arrefece

Os abafadores auditivos como equipamentos de proteção individual são utilizados para garantir maior segurança para o trabalhador, evitando a exposição de ruídos fortes e que prejudiquem seu sistema auditivo.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

VOCÊ MUDOU A MINHA VIDA



Você mudou a minha vida por completo e a tornou melhor.

Você fez dos meus dias tristes, dias felizes.

Você me encheu de amor, de carinho.

Você deixou minha vida cheia de prazer e com muitos motivos para sorrir.

Você fez minha vida ganhar cor. Você deu sentido a ela.

Você conseguiu me transformar em uma mulher de verdade. Muito mais que isso, você se transformou no homem da minha vida.

Você me mostrou que amar não é sofrer, muito pelo contrário, amar é a coisa mais maravilhosa desse mundo e foi você que me ensinou a amar de verdade.

Você trouxe paz e felicidade para a minha vida.

Você conseguiu fazer meu coração sentir muito mais do que amor, um sentimento mais forte, mais intenso, mais verdadeiro, um sentimento muito além da vida e muito além do amor.

7 erros que você deve evitar com suas orquídeas.





Se até hoje você está tentando cuidar de orquídeas sem sucesso, veja abaixo 7 erros que você deve evitar para que suas orquídeas sobrevivam e desenvolvam tendo flores todos os anos.

1. Trocar as orquídeas de vaso sem reparar de que lado surgem novos brotos. Os brotos devem ficar livres, nunca encostados na parede.

2. Cultivá-las em vasos de plástico. Opte pelos vasos de barro. Eles são porosos e drenam melhor a água. Isso evita o apodrecimento das raízes.

3. Permitir que elas extrapolem o limite do vaso. O ideal é mantê-las dois dedos para dentro da superfície.

4. Não esterilizar a tesoura antes de podá-las. Para essa operação, utilize um maçarico portátil ou a própria chama do fogão.

MAS, ATENÇÃO! Espere o instrumento esfriar completamente antes de usá-lo. Então, esterilize novamente antes de manipular outra planta, para evitar transmissão de doenças.

5. Não passar um cicatrizante após a poda. Para este caso, utilize canela em pó que é um cicatrizante natural.

6. Ignorar manchas na folhagem. Elas podem indicar que a planta tenha sido atacada por uma praga. A dica é usar detergente neutro líquido diluído em água. Lavar bem todas as folhas e raízes e borrifar a concentração nas folhas. Caso a infestação seja grande, passe o sabão puro, sem diluir. Depois, deixe a orquídea por 24 horas na sombra, lave e replante.

7. Não reparar na coloração da folhagem. Se estiver muito escura, é sinal de carência de luz e se estiver amarelada pode ser excesso de luz. Nesse caso, troque a orquídea de lugar.


Acordei e a vi se arrumando para ir trabalhar, pensei em dizer algo





Acordei e a vi se arrumando para ir trabalhar, pensei em dizer algo, mas quando notei que ela não me percebeu acordado resolvi ficar em silêncio a observando. 

Concentrada ela olhava para o espelho e minuciosamente cuidava de cada detalhe, os cabelos, olhos, o tom da pele e contornos, por vezes ela se distanciava de seu reflexo e como quem tanto já fez isso percebia detalhes que só uma mulher consegue perceber.

Ela estava linda como o de costume, mas não tão incrível como quando nos conhecemos ou mesmo quando ela se arrumava para sairmos juntos. Fiquei ali, pensando em todo o tempo que ela leva para ficar desse jeitinho irresistível e quanto tempo ela levou para se arrumar cada vez que ia me encontrar.

Fiquei pensando também em quantas vezes esqueci de dizer o quanto ela estava maravilhosa. Nessa manhã fingi estar dormindo e quando ela se aproximou para me dar um beijo de despedida eu a puxei de surpresa para meu lado da cama, olhei em seus olhos que pareciam não entender nada e disse: 'Desculpe quando esqueço de dizer o quanto você é a mulher mais linda do mundo. Eu tenho sorte por você ter me escolhido'. Ela apenas sorriu, o mesmo sorriso incrível de sempre e que eu há tanto tempo não percebia.

Nessa manhã, assim que ela saiu para ir trabalhar eu senti uma enorme saudade dela, uma saudade que há tempos não sentia. Eu realmente percebi a sorte que tinha por ter ela ao meu lado e a sorte que tive por perceber isso sem precisar perdê-la.

Heróis de brumadinho





"Avistamos algo que poderia ser um corpo, dava a impressão de ser um pequeno galho de árvore, .nos aproximamos com cautela, pois a lama ainda está movediça...temos nos guiado pelo cheiro dos corpos. Uma sensação ruim foi tomando conta de nós..meu coração saia pela boca, agente sempre quer achar vida...cheguei perto e o que achávamos ser galho, na verdade era um pequeno pé e parte de uma perna para o lado de fora da lama...começamos a tentar escavar....rapidamente identificamos se tratar de uma criança....respirei fundo..puxe-a com força...assim que a retiramos, vimos que ela estava presa a um outro corpo, o de sua mãe, já com as vísceras expostas..." Meu companheiro caiu ajoelhado....sem forças..a imagem do que vimos...." Neste instante ele para de falar e chora profundamente....

Minha pequena e emocionada homenagem a todos aqueles que deixaram suas casas para arrastarem-se na lama em busca de sobreviventes...muitos sem dormir e comer há mais de vinte e quatro horas.

Seja a mudança que você quer ver neste mundo, porque o que fazemos em vida, ecoa pela eternidade....

Agradeça pela vida que tem, hoje!

Seja voluntário, de ações ou palavras....perto de sua casa, na sua escola, no seu trabalho, na sua igreja...você vai salvar vidas...

Fonte : Facebook 

terça-feira, 29 de janeiro de 2019

Olha o espanto do gato





Cão e cavalo brincando juntos Irmão de outra mãe





Almoço gratis na Uber





Hoje eu estava voltando do Centro de Uber com um motorista que, pela conversa, era um sujeito muito simples, muito humilde. No meio do caminho, eu liguei para a Danielle e entre outras coisas comentei que estava com muita fome - eu só tinha tomado café da manhã e já eram 5 da tarde.

Uns 2 minutos depois, em algum ponto da Avenida  Brasil na altura da Penha, o motorista encostou o carro, pediu licença e saiu. Achei que ele tivesse precisado ir ao banheiro ou algo assim, mas, quando voltou, ele me deu uma garrafa de refrigerante, desses mais baratos, um pacotinho de Fandangos e disse: “- Está muito calor, come para o senhor não passar mal”, sentou-se ao volante e seguiu viagem, sem pedir nada pelo “lanchinho”. Gentileza, só gentileza, pura e desinteressada.

Mandei uma mensagem pra Dani e pedi pra ela preparar um sanduichão “daqueles” para o motorista, que também estava visivelmente com fome. Ele não teve palavras para agradecer.

Aí eu pergunto: - Por que as pessoas não se esforçam mais para fazer do mundo um lugar melhor?!  Não é difícil!

Fonte : Facebook

Jovem é morta por marido preso durante visita íntima em SP






Coração de gente é terra que ninguém vai. Leia o texto e reportagem.
"Sou mulher de preso SIM ! Acordo de madrugada pra arrumar as coisas e fazer comida pro meu marido SIM ! Vou no correio toda terça -Feira SIM ! Faço cartas pro meu marido SIM ! Larguei mão do mundo pra segurar a mão do meu marido ? SIM ! Tenho vergonha de dizer que sou casada com um detento ? NÃO ! Até porquê quando ele estava aqui fora no " Bem Bom" eu tava do lado dele , e porquê vou abandonar ele agora ? convivo com a saudade todos os dias ? SIM !
Me considero GUERREIRA? SIM CLARO ! Até porquê oque eu faço pelo meu marido as PIRANHAS de rua não tem deposição pra fazer nem a metade ! SOU GUERREIRA SIM E VOU FECHAR COM MEU MARIDO ATÉ O FIM ! FALEM QUEM QUISER FALAR , NÃO SOBREVIVO DE OPINIÃO ALHEIAS ! SOU MULHER E NÃO PAGO PRA VACILAR , PODE PÁ QUE NOSSA HORA VAI CHEGAR AMOR ! 💚🔓🔑
#Conta_Comigo_Sempre_Mozaoo💑🙏❤


#Vem_Pra_Rua_Amooor💑❤

#Voce_Faz_Falta_Aqui💑💔😔"

Texto publicado por Nicolly. Ela foi morta pelo companheiro durante visita íntima. Deixa filho menor.

Como estocar vento




O vento ele é diferente em horas do dia.
Então vamos supor que vente mais à noite..
Como é que eu faria pra estocar isso?


a. c.





Abreviatura . (que acompanha certas datas, significando: antes de Christo)

O ano 1 a.C. foi um ano bissexto. Iniciou numa quinta-feira do calendário juliano. Foi precedido pelo ano 2 a.C. e seguido pelo ano 1 d.C., ou ano 1 da era comum, uma vez que não existiu ano zero. De acordo com o calendário holoceno, este é o ano 10.000.

Senhora com alzheimer



sábado, 26 de janeiro de 2019

Lágrimas na chuva



Vídeo YouTube (inscreva-se no canal)



Carta de um médico ao deputado Jair Bolsonaro ( DR. MILTON PIRES)

Atendi doentes que ficaram por semanas em corredores aguardando UTI e vi pacientes psiquiátricos correndo nus durante os meus plantões. Não nos conhecemos pessoalmente. 

Escrevo-lhe, em primeiro lugar, na condição de cidadão brasileiro; em segundo, na condição de eleitor e, só em terceiro e último lugar, como médico. Não tenho qualquer procuração de “Entidades Médicas” para me manifestar em nome delas, não sei (nem quero saber) se meus colegas acreditam ou concordam com aquilo que vou narrar e lhe pedir. 

Ingressei no serviço público municipal da minha cidade no ano 2000. Fui chefiado por um médico que é ex-réu em processo por crime contra o Sistema Financeiro Nacional por participar de um esquema de saque a descoberto contra Caixa Econômica Federal. 

Além disso foi também condenado por falsidade ideológica (teria recebido dinheiro público para “fazer pesquisa” quando já era funcionário ou algo assim). Esse lixo humano não tinha, sequer, a hombridade e a coragem para se declarar petista – simplesmente fazia o serviço sujo para galgar degraus na carreira política em que mais tarde se tornou conhecido. 

Em 2003 me disse pessoalmente que faria o possível para acabar com a minha carreira.Imperava então, na cidade onde eu moro, a “Pyongyang dos Pampas”, o verdadeiro “maoísmo na área da saúde”. O Município era controlado pela Organização Criminosa Petista desde 1988. 

Trabalhando em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), vi pessoas morrendo em cadeiras de plástico, vi funcionários com nível de segundo grau mandando embora pacientes HIV positivos com febre de quarenta de graus dizendo que “não era nada grave”. 

Atendi doentes que ficaram por semanas em corredores aguardando leito em Unidade de Terapia Intensiva e vi pacientes psiquiátricos correndo nus dentro do serviço no qual eu fazia meus plantões. 

Tudo anotei, descrevi e denunciei ao Conselho Regional de Medicina estimulando mais ainda, contra mim mesmo, o ódio e a perseguição política na carreira funcional. Respondi a dezenas de sindicâncias e a um processo administrativo por insuficiência em “Estágio Probatório” cujas avaliações eram feitas com base nos relatos de enfermeiras, técnicos de enfermagem e membros da “comunidade” cabendo à médica que era minha chefia direta - petista histérica que hoje está dentro do nosso Sindicato Médico - subscrever o que diziam de mim (coisa que ela fez sem qualquer problema de consciência).  Em 2004, sem saber mais “o que fazer comigo” que pedia desesperadamente para ser transferido e trabalhar num Hospital e não numa (UPA),

fui mandado para outra espelunca igual a primeira – meu chefe, outro lixo petista, um alcoolista formado em Medicina, tinha ficha no antigo DOPS (Departamento de Ordem Política e Social), ficou famoso por assédio sexual contra funcionárias e as revistas que fazia nas suas bolsas quando algo desaparecia. 

Estimado pelo comando local do tráfico de drogas, não teve comigo tratamento diferente. Em 2007, doente e deprimido, consegui, depois de laudo da MINHA psiquiatra, ter minhas funções limitadas a um Hospital da cidade – neste hospital o Diretor era o médico que foi meu chefe na primeira UPA onde comecei minha carreira no Serviço Público. 

Depois disso tudo ficou claro pra mim que eu não podia mais trabalhar em UPA alguma como médico do Serviço Público. Procurei então mudar de especialidade e me tornei intensivista (até então era clínico e cardiologista) após prestar a Prova de Título da entidade que representa esta especialidade no Brasil. Fiz isso com intuito, mais uma vez, de ficar longe do terror, do descaso, do verdadeiro inferno que são as UPAS e serviços de Emergência no nosso país para qualquer médico que não seja corrupto, louco ou comunista. 

Em 2010 ingressei, também através de concurso público, na carreira como médico intensivista de um Hospital Federal (na verdade uma autarquia) que era então comandado pelo Partido Comunista do Brasil.  Toda minha história já era então conhecida no meio médico da cidade – entre "colegas" (ou entre os que pensam que são médicos) eu já era visto como “louco” e “paranoico que se considera perseguido pelo PT”.  

Em 2014, depois de ter escrito sobre o Programa Mais Médicos, depois de me insurgir contra as barbaridades que vi acontecerem dentro da Unidade de Terapia Intensiva em que eu trabalhava, uma médica (em conluio com os comunistas da Direção) me acusou de “violência contra mulher”.  Um “juizeco” do trabalho (de primeiro grau) da minha cidade completou o serviço sujo solicitado pela escória, pela ralé do PT, PSOL e PC do B. 

Eu fui exonerado e o Hospital ganhou o processo trabalhista que movi contra ele porque na Segunda Instância foram os colegas de ideologia da Ministra Rosa Weber (ex-presidente do TRT-4) que julgaram o recurso apresentado pelo meu advogado. Nessa época eu já era conhecido nacionalmente por “mandar Dilma chamar um médico cubano” na ocasião do seu “mal-estar” no debate com o corrupto e chefe de quadrilha, então candidato à Presidência da República, Aécio Neves. 

Capitão Bolsonaro (assim o chamo agora porque sou também tenente da reserva da Força Aérea Brasileira), tudo isso que escrevi acima é apenas parte da minha história no Serviço Público como Médico. Eu não tenho aqui interesse algum de despertar piedade ou pedir ao senhor qualquer coisa – meu objetivo hoje é deixar o Brasil e ser médico em outro país. 

Escrevo-lhe por considerar minha obrigação, em primeiro lugar, tornar público aquilo que aconteceu comigo e, em segundo, dizer ao senhor aquilo que considero ser prioridade na área da saúde se o senhor, porventura, conseguir se eleger. 

O que deve ser dito é o seguinte:  Toda Rede Hospitalar Brasileira foi destruída pelo Regime Petista. UPA’s são lugares criados para esconder a morte de pacientes que deveriam estar dentro de hospitais: a UPA é um lugar em que se atende tudo aquilo que não é suficientemente grave e poderia ser resolvido num posto de saúde, ou coloca a vida do paciente em risco e ele deveria estar dentro de um Hospital. 

Deputado Bolsonaro, enquanto existir SUS no Brasil o PT e o comunismo na área da Saúde vão estar vivos. O senhor não poderá acabar com o SUS pois será impedido pela Constituição Federal, mas pode mudar toda História da Saúde Pública se afastar, se exonerar e expulsar de dentro do Ministério da Saúde, a corja, a ralé de alcoolistas, pederastas, pedófilos, viciados, corruptos, vagabundos e estelionatários do PT, PSOL e PC do B que hoje MANDAM e DESMANDAM na Saúde Pública Brasileira e que fizeram comigo (e com centenas de outros médicos) isso que narrei no início da carta. Acabe, eu lhe imploro, com a Ditadura Comunista na Saúde Pública, não ceda mais um centavo sequer para postos de saúde e UPA’s – o Brasil foi transformado num “postão”!  

Ajude a reconstruir a Rede Hospitalar Brasileira, lute para FECHAR e não para abrir mais faculdades de Medicina! Colabore com as entidades médicas na formação de um plano de carreira e de um piso salarial mínimo em todo país, ajude os médicos brasileiros a se fazerem respeitar pela Imprensa Vagabunda Petista que hoje nos massacra expulsando os escravos cubanos (falsos médicos) trazidos por Dilma Rousseff e por outro bandido da minha profissão chamado Alexandre Padilha.

Não sei se o senhor vai conseguir se eleger: acredito que pode ser assassinado a qualquer momento pela Organização Criminosa que comanda o Brasil ou que as urnas possam ser fraudadas dando a vitória a quem puder ser controlado por ela.  Minha história eu tornei pública. Ela vai passar despercebida como "lágrimas na chuva" (como diria aquele androide do filme "Blade Runner"), mas com o meu voto o senhor pode contar.

CORDIAIS SAUDAÇÕES

Dr. Milton Pires

Porto Alegre, 8 de agosto de 2018.

(Via Ataque Aberto)

quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

Abacaxi




O ananás ou abacaxi (Ananas comosus), é uma infrutescência tropical produzida pela planta de mesmo nome, caracterizada como uma planta monocotiledônea da família das bromeliáceas da subfamília Bromelioideae. É um símbolo das regiões tropicais e subtropicais.Os abacaxizeiros cultivados pertencem à espécie Ananas comosus, que compreende muitas variedades frutíferas. Há também várias espécies selvagens, pertencentes ao mesmo gênero. O fruto, quando maduro, tem o sabor bastante ácido e, muitas vezes, adocicado.

Apesar do que dita o senso comum, o abacaxi não é uma fruta cítric.

Etimologia

A palavra "abacaxi" em inglês foi registrada pela primeira vez para descrever os órgãos reprodutivos das árvores coníferas (agora chamadas de pinhas ). Quando os exploradores europeus encontraram essa fruta tropical nas Américas, eles os chamaram de "abacaxis" (primeiro referenciados em 1664, por se assemelharem a pinhas).

No binômio científico Ananás comosus , o ananás , nome original da fruta, vem da palavra tupi nanas , que significa "excelente fruto",  registrada por André Thevet em 1555, e comosus , "tufado", refere-se à caule da fruta. Outros membros do gênero Ananas são também chamados de pinheiros, em outras línguas.

Botânica

O abacaxi é uma planta herbácea perene , que cresce de 1,0 a 1,5 m (3,3 a 4,9 pés) de altura, embora às vezes possa ser mais alta. Na aparência, a planta tem um caule curto e forte, com folhas duras e cerosas. Ao criar seu fruto, geralmente produz até 200 flores, embora algumas cultivares de frutos grandes possam exceder esse valor. Uma vez que floresce, os frutos individuais das flores se juntam para criar o que é comumente chamado de abacaxi. Depois que o primeiro fruto é produzido, os brotos laterais (chamados de “sugadores” pelos cultivadores comerciais) são produzidos nas axilas das folhas do caule principal. Estes podem ser removidos para propagação, ou deixados para produzir frutos adicionais na planta original. Comercialmente, os otários que aparecem ao redor da base são cultivados. Tem 30 ou mais folhas longas, estreitas, carnudas, em forma de depressão, com espinhos afiados ao longo das margens que são 30 a 100 cm (1,0 a 3,3 pés) de comprimento, envolvendo um caule espesso . No primeiro ano de crescimento, o eixo alonga e engrossa, portando numerosas folhas
em espirais próximas. Depois de 12 a 20 meses, o caule cresce em uma inflorescência em forma de espigão de até 15 cm (6 pol) de comprimento com mais de 100 flores triméricas dispostas em espiral, cada uma subtendida por uma bráctea.

Os ovários se desenvolvem em bagas, que se aglutinam em um fruto múltiplo grande e compacto. O fruto de um abacaxi é organizado em duas hélices interligadas, oito em uma direção, 13 na outra, cada uma sendo um número de Fibonacci .

O abacaxi realiza a fotossíntese CAM ,  fixando dióxido de carbono à noite e armazenando-o como malato ácido , liberando-o durante o dia para ajudar na fotossíntese.

Polinização

Na natureza, os abacaxis são polinizados principalmente por beija-flores .  Certos abacaxis selvagens são forrageados e polinizados à noite por morcegos .

Sob cultivo, porque o desenvolvimento das sementes diminui a qualidade dos frutos, a polinização é feita à mão e as sementes são mantidas apenas para reprodução .  Especificamente no Havaí, onde os abacaxis eram cultivados e enlatados industrialmente ao longo do século XX ,  a importação de beija-flores era proibida.

História

A planta é indígena da América do Sul e diz-se que é originária da região entre o sul do Brasil e o Paraguai;  no entanto, pouco se sabe sobre a origem do abacaxi domesticado (Pickersgill, 1976). MS Bertoni (1919)  considerou as drenagens do rio Paraná - Paraguai como o local de origem de A. comosus .  Os nativos do sul do Brasil e do Paraguai espalharam o abacaxi pela América do Sul e chegaram ao Caribe, América Central e México, onde foram cultivados pelos maias e astecas. Colombo encontrou o abacaxi em 1493 na ilha de Guadeloupe a sotavento. Ele chamou de piña de Indes, que significa "pinheiro dos índios", e trouxe-o de volta para a Espanha, tornando o abacaxi a primeira bromélia a ser introduzida por humanos fora do Novo Mundo.  Os espanhóis introduziram-
no nas Filipinas , no Havaí (introduzido no início do século XIX, primeira plantação comercial em 1886), no Zimbábue e em Guam . Diz-se que a fruta foi introduzida primeiramente em Havaí quando um navio espanhol trouxe lá nos 1500s.  Os portugueses pegaram a fruta do Brasil e a introduziram na Índia em 1550.

O abacaxi foi trazido para o norte da Europa pelos holandeses de sua colônia no Suriname . O primeiro abacaxi a ser cultivado com sucesso na Europa, diz-se que foi cultivado por Pieter de la Court em Meerburg em 1658.  Na Inglaterra, um enorme "fogão de abacaxi" necessário para cultivar as plantas foi construído no Chelsea Physic. Jardim em 1723.  Na França, o rei Luís XV recebeu um abacaxi que havia sido cultivado em Versalhes em 1733. Catarina, a Grande, comeu abacaxis cultivados em suas próprias propriedades antes de morrer em 1796. Por causa da despesa de importação direta e do enorme custo de equipamento e mão-de-obra necessários para cultivá-los em um clima temperado, usando estufas chamadas "pineries", os abacaxis logo se tornaram um símbolo de riqueza. Inicialmente, eles eram usados ​​principalmente para exibição em jantares, em vez de serem comidos, e eram usados ​​repetidas vezes até começarem a apodrecer.  Na segunda metade do século XVIII, a produção da fruta em propriedades britânicas tinha se tornado objeto de grande rivalidade entre aristocratas ricos. [ John Murray, 4º Conde de Dunmore construiu uma estufa em sua propriedade, encimada por uma enorme cúpula de pedra de 14 metros de altura em forma de fruta; é conhecido como o Abacaxi Dunmore .

John Kidwell é creditado com a introdução da indústria de abacaxi no Havaí; O cultivo em grande escala de abacaxis pelas empresas americanas começou no início do século XX. Entre os mais famosos e influentes industriais de abacaxi estava James Dole , que se mudou para o Havaí em 1899  e iniciou uma plantação de abacaxis em 1900.  As empresas Dole e Del Monte começaram a cultivar abacaxis na ilha de Oahu em 1901 e 1917 , respectivamente. A empresa de abacaxis da Dole começou com a aquisição de 24 hectares de terra em 1901 e se transformou em uma grande empresa, a Dole Food Company . Maui Abacaxi Companhiacomeçou o cultivo de abacaxi na ilha de Maui em 1909.

Nos EUA, em 1986, o Instituto de Pesquisa de Abacaxi foi dissolvido e seus ativos divididos entre Del Monte e Maui Land e Pineapple . A Del Monte levou a cultivar '73 –114 ', apelidada de' MD-2 ', para suas plantações na Costa Rica, e achou-a bem adaptada para crescer lá, lançando-a publicamente em 1996 como' Gold Extra Sweet ', enquanto Del Monte também começou a comercializar '73-50 ', apelidado de' CO-2 ', como' Del Monte Gold '.

A Dole cessou suas operações de cannery em Honolulu em 1991 e, em 2008, a Del Monte encerrou suas operações de cultivo de abacaxi no Havaí.  Em 2009, a Maui Pineapple Company reduziu suas operações para fornecer abacaxis apenas localmente em Maui,  e em 2013, apenas a Dole Plantation em Oahu cultivou abacaxis em um volume de cerca de 0,1% da produção mundial.

A cultivar de abacaxi 'Red Espanhola' também era tradicionalmente cultivada nas Filipinas para a indústria têxtil pelo menos desde o século XVII . Eles foram originalmente trazidos para as ilhas da América Latina durante o período colonial espanhol das Filipinas . 'Smooth Cayenne' foi mais tarde introduzido no início dos anos 1900 pelo Bureau of Agriculture durante o período colonial americano . Dole e Del Monte também estabeleceram plantações na ilha de Mindanao na década de 1920; nas províncias de Cotabato e Bukidnon , respectivamente. As Filipinas continuam sendo um dos principais exportadores de abacaxi do mundo. As plantações da Del Monte agora são gerenciadas localmente, depois que a Del Monte Pacific Ltd., uma empresa filipina, concluiu a compra da Del Monte Foods em 2014.

Usos

Culinária
Abacaxi cru
Valor nutricional por 100 g (3,5 oz)
Energia 209 kJ (50 kcal)
Carboidratos
13,12 g
Açúcares 9,85 g
Fibra dietética 1,4 g
Gordura
0,12 g
Proteína
0,54 g
Vitaminas Quantidade % DV †
Tiamina (B 1 ) 7% 0,079 mg
Riboflavina (B 2 ) 3% 0,032 mg
Niacina (B 3 ) 3% 0,5 mg
Ácido pantotênico (B 5 ) 4% 0,213 mg
Vitamina B 6 9% 0,112 mg
Folato (B 9 ) 5% 18 μg
Colina 1% 5,5 mg
Vitamina C 58% 47,8 mg
Minerais Quantidade % DV †
Cálcio 1% 13 mg
Ferro 2% 0,29 mg
Magnésio 3% 12 mg
Manganês 44% 0,927 mg
Fósforo 1% 8 mg
Potássio 2% 109 mg
Sódio 0% 1 mg
Zinco 1% 0,12 mg
Outros constituintes Quantidade
agua 86,00 g
Link para entrada no banco de dados do USDA
Unidades
μg = microgramas  • mg = miligramas
UI = unidades internacionais
† As porcentagens são aproximadas aproximadamente usando as recomendações dos EUA para adultos.
A polpa e o suco do abacaxi são usados ​​nas culinárias de todo o mundo. Em muitos países tropicais, o abacaxi é preparado e vendido nas estradas como um lanche. É vendido inteiro ou em metades com um palito inserido. Fatias inteiras, cortadas com uma cereja no meio são um enfeite comum em
presuntos no Ocidente. Pedaços de abacaxi são usados ​​em sobremesas, como salada de frutas, bem como em alguns pratos salgados, incluindo coberturas de pizza, ou como um anel grelhado em um hambúrguer . Pratos tradicionais que usam abacaxi incluem hamonado , afritada , kaeng som pla e palheiro havaiano. Abacaxi esmagado é usado em iogurte, geléia, doces e sorvetes. O suco do abacaxi é servido como bebida, e também é o principal ingrediente de coquetéis como a piña colada e a bebida tepache .

Têxteis

A cultivar 'Red Spanish' de abacaxis já foi amplamente cultivada nas Filipinas . As folhas longas da cultivar foram a fonte das tradicionais fibras piña , uma adaptação das tradições nativas de tecelagem com fibras extraídas do abacá . Estas foram tecidas em tecidos nipis brilhantes semelhantes a rendas, geralmente decorados com intrincados bordados florais conhecidos como calado . O tecido foi uma exportação de luxo das Filipinas durante o período colonial espanhol e ganhou popularidade entre a aristocracia européia nos séculos XVIII e XIX. Domesticamente, eles foram usados ​​para fazer o tagalo tradicional do barong , baro't saya e traje de mestizaroupas da classe alta filipina, bem como lenços femininos ( pañuelo ). Eles eram favorecidos por sua qualidade leve e alegre, que era ideal no clima tropical quente das ilhas. A indústria foi destruída na Segunda Guerra Mundial e está apenas começando a ser revivida.


















Nutrição

Em uma quantidade de referência de 100 gramas, o abacaxi cru é uma fonte rica de manganês (44% do valor diário , DV) e vitamina C (58% DV), mas não contém nutrientes essenciais em quantidades significativas (tabela).

Bromelina

Presente em todas as partes da planta de abacaxi,  a bromelaína é uma mistura de enzimas proteolíticas . A bromelina está sob investigação preliminar para uma variedade de distúrbios clínicos, mas até o momento não foi adequadamente definida por seus efeitos no corpo humano. A bromelina pode não ser segura para alguns usuários, como na gravidez , alergias ou terapia anticoagulante .

Se tiver conteúdo suficiente de bromelaína, o suco de abacaxi cru pode ser útil como marinada e amaciante de carne .  Embora as enzimas do abacaxi possam interferir na preparação de alguns alimentos ou produtos manufaturados, como sobremesas à base de gelatina ou cápsulas de gel ,  sua atividade proteolítica responsável por tais propriedades pode ser degradada durante o cozimento e o enlatamento . A quantidade de bromelaína em uma porção típica de abacaxi provavelmente não é significativa, mas a extração específica pode produzir quantidades suficientes para processamento doméstico e industrial.

O teor de bromelaína do abacaxi cru é responsável pela sensação de dor na boca, muitas vezes experimentada quando comê-lo, devido às enzimas que quebram as proteínas dos tecidos sensíveis da boca. Além disso, os raphides , cristais em forma de agulha de oxalato de cálcio que ocorrem nos frutos e folhas do abacaxi, provavelmente causam microabrasões, contribuindo para o desconforto bucal.


Produção

Em 2016, a produção mundial de abacaxi foi de 25,8 milhões de toneladas, liderada pela Costa Rica , Brasil e Filipinas , que juntos representaram 32% do total global (tabela).

Cultivo
Na agricultura comercial, a floração pode ser induzida artificialmente, e a colheita antecipada da fruta principal pode estimular o desenvolvimento de uma segunda safra de frutas menores. Uma vez
removido durante a limpeza, o topo do abacaxi pode ser plantado no solo e uma nova planta crescerá. Slips e otários são plantados comercialmente.


Abacaxi vermelho ( bracteatus dos ananás )

Preocupações éticas e ambientais
Três quartos dos abacaxis vendidos na Europa são cultivados na Costa Rica, onde a produção de abacaxi é altamente industrializada. Os produtores normalmente usam 20 kg (44 lb) de pesticidas por hectare em cada ciclo de crescimento, um processo que pode afetar a qualidade do solo e a biodiversidade. Os pesticidas - organofosforados , organoclorados e disruptores hormonais - têm o potencial de afetar a saúde dos trabalhadores e contaminar os suprimentos locais de água potável.  Muitos desses produtos químicos têm potencial para serem carcinogênicos e podem estar relacionados a defeitos congênitos .

Por causa das pressões comerciais, muitos trabalhadores de abacaxi na Costa Rica - 60% dos quais são nicaraguenses - recebem salários baixos. [ quantificar ] As políticas de redução de preços dos supermercados europeus reduziram os rendimentos dos produtores.  Um grande produtor de abacaxi contesta essas alegações.

Cultivares

Muitas cultivares são conhecidas.  As folhas da "cayenne lisa" comumente cultivada são lisas,  e são as mais comumente cultivadas em todo o mundo. Muitas cultivares se distribuíram desde suas origens no Paraguai e na parte sul do Brasil , e depois melhoraram os estoques que foram introduzidos nas Américas, nos Açores, na África, na Índia, na Malásia e na Austrália. As variedades incluem:

"Hilo" é uma variante havaiana compacta, de 1,0 a 1,5 kg (2 a 3 lb) de pimenta caiena; a fruta é mais cilíndrica e produz muitos otários, mas não escorrega.
"Kona sugarloaf", com 2,5 a 3,0 kg (5-6 lb), tem carne branca sem madeira no centro, é de forma cilíndrica e tem um alto teor de açúcar, mas sem ácido; tem uma fruta extraordinariamente doce.
"Rainha de Natal", com 1,0 a 1,5 kg (2 a 3 lb), tem polpa amarela dourada, textura nítida e sabor delicado e suave; bem adaptado ao consumo fresco, mantém-se bem após o amadurecimento. Tem folhas espinhosas e é cultivada na Austrália, Malásia e África do Sul.
"Pernambuco" ("eleuthera") pesa de 1 a 2 kg (2 a 4 libras) e tem carne amarela pálida a branca. É doce, derretendo na textura e excelente para comer fresco; é mal adaptado para o transporte, possui folhas espinhosas e é cultivado na América Latina.
O "espanhol vermelho", com 1 a 2 kg (2 a 4 libras), tem polpa amarelo-clara com um aroma agradável, é de forma quadrada e bem adaptado para o transporte como fruta fresca para mercados distantes; tem folhas espinhosas e é cultivada na América Latina e nas Filipinas. Foi a cultivar de abacaxi original nas Filipinas cultivada por suas fibras de folha ( piña ) na tradicional indústria têxtil filipina.
A "cayenne suave", uma fruta cilíndrica de 2,5 a 3,0 kg (5 a 6 lb), de cor amarela pálida a amarelada, com alto teor de açúcar e ácido, é bem adaptada à produção de conservas e processamento; Suas folhas são sem espinhos. É uma cultivar antiga desenvolvida pelos povos ameríndios .  Em algumas partes da Ásia, esta cultivar é conhecida como Sarawak , depois de uma área da Malásia em que é cultivada.  É um dos ancestrais das cultivares "73-50" (também chamadas "MD-1" e "CO-2") e "73–114" (também chamado de "MD-2").  Caiena crua era anteriormente a variedade produzida no Havaí, e a mais facilmente obtida em supermercados dos EUA, mas foi substituído no meio dos anos 1990 e 2000 pelo MD-2.
Algumas espécies de ananás são cultivadas como plantas ornamentais para cores, novos tamanhos de frutos e outras qualidades estéticas .

Fitoquímica

Abacaxi e cascas de conter diversas fitoquímicos , entre os quais são polifenóis , incluindo ácido gálico , ácido siringico , vanilina , ácido ferúlico , ácido sinápico , ácido cumárico , ácido clorogénico , epicatequina , e arbutina .
Pragas e doenças
Artigo principal: Lista de doenças de abacaxi
Os abacaxis estão sujeitos a uma variedade de doenças, a mais séria delas é a vetorização por cochonilhas , tipicamente encontradas na superfície do abacaxi, mas possivelmente nas xícaras de flores fechadas.  Outras doenças incluem doença dos citros rosados , podridão cardíaca bacteriana, antracnose ,  podridão do coração dos fungos, podridão radicular, podridão negra, podridão final, podridão do núcleo de frutificação e vírus da mancha amarela.  A doença de abacaxi rosa (doença
não-rosa cítrica) é caracterizada pela fruta desenvolver uma coloração acastanhada a preta quando aquecida durante o processo de enlatamento. Os agentes causadores da doença rosada são as bactérias Acetobacter aceti , Gluconobacter oxydans, Pantoea citrea .  e Tatumella ptyseos .

Algumas pragas que comumente afetam as plantas de abacaxi são escamas, tripes , ácaros, cochonilhas, formigas e symphylids .

A podridão do coração é a doença mais grave que afeta as plantas de abacaxi. A doença é causada por Phytophthora cinnamoni e P. parasitica, fungos que freqüentemente afetam o abacaxi cultivado em condições úmidas. Como é difícil de tratar, é aconselhável proteger-se contra a infecção plantando cultivares resistentes onde elas estejam disponíveis; Todos os sugadores que são necessários para a propagação devem ser mergulhados em um fungicida, uma vez que o fungo entra através das feridas.

Armazenamento e transporte
Alguns compradores preferem frutas verdes, outras amadurecem ou não. Um regulador de crescimento de plantas, Ethephon , é tipicamente pulverizado sobre o fruto uma semana antes da colheita, desenvolvendo etileno , o que torna o fruto amarelo dourado. Após a limpeza e corte, um abacaxi é tipicamente enlatado em xarope de açúcar com conservante adicionado.

Um abacaxi nunca se torna mais maduro do que quando colhido.

A fruta em si é bastante perecível e, se for armazenada à temperatura ambiente, deve ser utilizada em dois dias; no entanto, se for refrigerado, o período de tempo se estende para 5 a 7 dias.

Simbolismo e história cultural
Mimi Sheller escreve: "O abacaxi entrou na iconografia européia como um símbolo de boas-vindas e hospitalidade, e também acabou entrando em jardins botânicos como o Chelsea Physic Garden , onde foi cultivado em poços aquecidos".  A fruta doce tinha uma "aura misteriosa" na Era da Vela porque, exceto por uma "pequena elite com acesso a estufas de vidro", frutas tropicais só podiam ser degustadas onde eram cultivadas. Christopher Cumo escreve que "Os espanhóis que seguiram Colombo se deliciaram em comer abacaxi e escrever sobre isso para um público europeu ansioso por conhecer a flora e a fauna das Américas ... O abacaxi foi o primeiro luxo porque transita dos trópicos para a Europa era caro na era das velas. Nesse aspecto, o abacaxi era muito parecido com o açúcar, uma mercadoria de privilégio antes de se tornar um item das massas. "  Cumo escreve que "abacaxi foi o fruto do colonialismo" porque os portugueses, franceses, holandeses e ingleses procuraram estabelecer plantações de abacaxi nos trópicos da América do Sul, América Central e Caribe.

Na arquitetura, figuras de abacaxi são um elemento decorativo que simboliza a hospitalidade .Normalmente em gesso ou madeira entalhada,  abacaxis imagens ocorrem em remates ,  pingentes ,  "quebradas" pediments ,  e batentes da porta .

Os abacaxis há muito têm sido associados às ilhas havaianas, na medida em que o abacaxi é às vezes usado como um símbolo do Havaí,  apesar do declínio da indústria de abacaxi naquele estado. Alimentos com abacaxi neles são às vezes conhecidos como "havaianos" apenas por esse motivo.

Enciclopédia (Dicionário A a Z )

A a Ā Abacate Abacateiro Abacatuaia Abacaxi Ábaco Abadengo Abadessa Abadia Abadim Abadir abafa...